Areia na Margem Sul


5.00 avg. rating (78% score) - 2 votes

Em meados de Maio o Filipe Guerra lançou a “provocação” na nossa página CRF1000 L AFRICA TWIN.PT do Facebook:

 “Amanhã, sábado dia 13, pelas 15h vou fazer estágio para o Offroad do
fim de semana seguinte. O percurso será Apostiça e Lagoa de Albufeira,
com volta pela Arrábida (dependendo do tempo). O (meu) ritmo é baixo
e o percurso espera-se fácil/médio com alguma areia (molhada) mas
muito divertido. Passagem na Trafaria para visita flash aos canhões na
arriba. Sintam-se à vontade para se juntarem.”

E assim foi, juntaram-se três CRF’s 1000 para ajudarem no treino preparatório do Filipe Guerra para o fim de semana seguinte na Adventure Days SW-Motech 2017. Ponto de encontro combinado e reuniram-se duas tricolores, uma preta e uma cinzenta. Apenas faltou a Rally Dakar para ficarmos com a paleta de cores completa. A que deu mais nas vistas foi a única com DCT do grupo, não pela eletrónica associada, mas pelo kit de unhas que o Armando Polónia trazia.

Abriram-se as hostes com uma subida às arribas por cima das praias da Costa da Caparica, onde se percorreram pequenos trilhos sobre uma paisagem deslumbrante. Era possível com um só olhar ver a Serra de Sintra, o Farol do Bugio e as praias que lá em baixo se estendiam até ao Meco.

Do alto destas falésias pudemos dar um salto ao que resta das imponentes baterias de defesa com pesados canhões do início do século XX. Satisfeitos com as vistas, rumámos para os caminhos menos elevados da Apostiça, lá para os lados da Lagoa de Albufeira. Menos elevados, mas a exigir bem mais esforço com todos a amaldiçoarem os capacetes de estrada que quase nos coziam os miolos. Suadelas, mais do que muitas. O Filipe bem dizia que era só mais um bocado de areia, que ali à frente já era terreno duro, mas os corpos teimavam aquecer em banho maria. Iniciámos o trajeto ao mesmo tempo com umas cabritas que rapidamente perdemos de vista. Peso a quanto obrigas! O Armando Polónia bem punha a mota a voar, com pneus de origem, em lombas sucessivas, na esperança do ar ficar mais fresco, mas nada. O Pedro Afonso, também com pneus de origem, preferiu outra estratégia: refrescar as crash bars na areia, mas também não deu resultado. No entanto, os ferros cumpriram a sua função com brilhantismo. O único com juízo foi o Filipe com o seu blusão de verão. Sabia ao que ía! Só nos restava uma solução, abeirarmo-nos junto às margens da Lagoa de Albufeira, perto da água, onde o Armando resolveu esconder mais de metade da jante 18 na areia.

Sedentos de água, parámos num café da Lagoa para umas aguinhas super bock, ou seriam sagres? Não interessa, souberam a fresco. Conversas várias, motas claro, onde alguém disse que tinha que inscrever-se num curso só de areia! O mote mantinha-se e ala que se faz tarde, voltámos às montadas para fechar o passeio. Ficou por fazer o trajeto até ao Cabo Espichel, num estradão fácil, ótimo para os mais receosos. O tempo já ia adiantado.

Regresso a casa com um sorriso a tocar as aberturas dos capacetes e diretos para o desejado duche. Nessa noite todos dormiram que nem anjos! O Filipe tinha razão no desafio colocado na página do Facebook: com alguma areia, … mas muito divertido! No fim de semana seguinte o Filipe Guerra e o Armando Polónia, … ainda com os pneus de origem, foram ao Adventure Days SW-Motech 2017.

 

Francisco Rodrigues

Aos 18 anos não tinha carro e tinha uma 125cc. Dezasseis motas e mais de 40 anos depois ainda não tem carro, … mas já teve uma XRV e hoje tem uma CRF!